Empresa de análise de dados que ajudou Trump a vencer eleição


O Facebook suspendeu a Cambridge Analytica, uma empresa de análise de dados que trabalhou para a campanha do presidente Donald Trump em 2016, em relação a alegações de que ele manteve dados de usuários obtidos de forma incorreta depois de ter dito ao Facebook que tinha excluído a informação.

Publicidade

A rede social emitiu uma postagem no blog explicando sua decisão, embora o conto seja complicado. Anos atrás, o Facebook disse que a Cambridge Analytica recebeu dados de usuários de um aplicativo do Facebook que pretendia ser uma ferramenta de pesquisa psicológica, embora a empresa não estivesse autorizada a ter essa informação. Aproximadamente 270 mil pessoas baixaram o aplicativo e compartilharam seus dados pessoais com ele, disse o Facebook.

A Cambridge Analytica certificou em 2015 que havia destruído a informação que recebeu, de acordo com o Facebook, embora a rede social tenha dito que recebeu relatórios “há vários dias” que nem todos os dados foram excluídos.

Enquanto investiga o assunto, o Facebook também suspendeu o acesso da empresa-mãe da Cambridge Analytica, Strategic Communication Laboratories; o acadêmico que criou o aplicativo em questão, um professor de psicologia da Universidade de Cambridge, chamado Aleksandr Kogan; e outro indivíduo, Christopher Wylie da Eunoia Technologies, que também alegadamente recebeu os dados do usuário do aplicativo.

Exatamente por que o tratamento desses dados justificava a suspensão e a explicação pública incomum do Facebook sobre o movimento não era claro. A postagem no blog, escrita pelo vice-conselheiro geral do Facebook, Paul Grewal, citou a “proeminência pública” da Cambridge Analytica, chamou a alegada retenção de dados de uma “violação inaceitável da confiança” e disse que a rede social tomará ações legais, se necessário, para que todas as partes “Responsável e responsável por qualquer comportamento ilegal”.

Em uma declaração, um porta-voz de Cambridge Analytica negou qualquer irregularidade. Ele disse que a unidade de eleição SCL da empresa-mãe contratou a Kogan para realizar “um projeto de pesquisa em larga escala nos EUA”, mas depois soube que ele havia obtido dados em violação das políticas do Facebook e, posteriormente, eliminou todos os dados recebidos da empresa da Kogan. Para o “evitar a dúvida”, disse o porta-voz, nenhum dos dados de Kogan foi usado no trabalho de eleição de Cambridge Analytica em 2016.

Kogan não respondeu imediatamente a um pedido enviado por e-mail para comentar. Wylie não pôde ser localizada imediatamente.

Cambridge Analytica é provavelmente mais conhecida pelo seu trabalho político na campanha presidencial dos EUA de 2016. A empresa afirma construir perfis psicológicos com base em detalhes pessoais de milhões de americanos que podem categorizar os eleitores individuais. Ele trabalhou tanto para a campanha das primárias do Texas senador Ted Cruz ea campanha de eleição geral Trump.

A empresa é apoiada pela família do dono bilionário Robert Mercer, um gerente de hedge funds que também apoiou a campanha Trump e outros candidatos e causas conservadores. Os funcionários da campanha de Trump minimizaram o papel de Cambridge Analytica, dizendo que eles usaram brevemente a empresa para publicidade em televisão e pagaram alguns dos seus funcionários de dados mais qualificados.

Mas a empresa também apareceu algumas vezes durante as investigações na interferência russa na eleição de 2016. Por exemplo, o ex-conselheiro de segurança nacional da Trump, Michael Flynn, que agora está cooperando com a investigação do advogado especial Robert Mueller depois de se declarar culpado de uma acusação de crime, divulgou um papel consultivo com Cambridge Analytica em agosto passado. SCL disse mais tarde que a posição nunca se materializou.

O CEO da Cambridge Analytica, Alexander Nix, também revelou em novembro passado que a empresa chegou ao fundador da WikiLeaks, Julian Assange, durante a campanha para solicitar e-mails relacionados à campanha de Hillary Clinton. Nix disse que Assange disse que não. Os e-mails da campanha de Clinton roubados pelos agentes russos são um foco das sondas de interferência eleitoral. Nix negou qualquer envolvimento na intromissão das eleições russas.


Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Deixe Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.

Qual é a sua Reação?

Diversão Diversão
0
Diversão
Ri muito Ri muito
0
Ri muito
Ganhar Ganhar
0
Ganhar
Fofa Fofa
0
Fofa
Droga Droga
0
Droga
Falhou Falhou
0
Falhou
Nerd Nerd
0
Nerd
ódio ódio
0
ódio
Assustador Assustador
0
Assustador
Vomitar Vomitar
0
Vomitar
Confuso Confuso
0
Confuso
omg omg
0
omg
love love
0
love
wtf wtf
0
wtf
love-2 love-2
0
love-2
Raquel

Sou redatora publicitária freelancer, Planner, gerente de conteúdo e redes sociais
Escolha o formato
Adicione um questionário de personalidade
Como podemos pensar em questões que respondam o que realmente queremos saber sobre o problema que identificamos
CURIOSIDADES
E nós sabemos, sabemos, que existem respostas certas e erradas sobre como se mover neste espaço
Enquete
Votar para tomar decisões ou determinar opiniões
Post
Envie sua notícia, matéria ou pauta, com textos, imagens e/ou códigos incorporados
Contagem Regressiva
The Classic Internet Countdowns
Lista Aberta
Crie uma lista aberta, onde outros usuários possam enviar novos itens com o mesmo tema
Lista classificada
Permitir que usuários não registados façam uma avaliação
Meme
Fazer upload de suas próprias imagens para fazer personalizado memes
Vídeos
Youtube, Vimeo ou Vine
Graphics Interchange Format
Formato GIF